O estresse entra em nosso corpo sem pedir licença, age em silêncio, provoca problemas gravíssimos e, em geral, fica impune da agressão. Afinal, nem sempre a gente o associa àquela súbita dor de cabeça, ou a uma dor de estômago ou a uma dor nas costas. Esse vilão, personagem comum na vida urbana, também é capaz de reduzir a capacidade de o sistema imunológico combater resfriados e outros males que seriam facilmente derrotados por um organismo saudável.

Em entrevista ao projeto Blue Zone (iniciativa estadunidense que pesquisa as regiões do globo com maior concentração de pessoas centenárias), o médico David Danskin, da Universidade Estadual do Kansas, estimou que 85% das consultas realizadas em atenção primária têm causas relacionadas ao estresse.

Segundo ele, para se ter uma vida longeva e feliz é preciso, antes de tudo, identificar a causa do estresse. Às vezes, o detonador de uma crise pode estar relacionado a boas notícias (pode ser a proximidade da data do casamento, a chegada de um bebê na família, uma promoção no trabalho); outras vezes a causa está mesmo no acúmulo de problemas (perda do emprego, dívidas, crises de relacionamento etc.).

Para se defender do estresse, David Danskin sugere quatro estratégias:

1 – Investigue!
Faça anotações diárias sobre situações estressantes pelas quais tenha passado.

Isso ajudará a identificar o volume de estresse a que se está submetido, as prováveis causas e os caminhos possíveis para reduzir a tensão. Dedique 15 minutos por dia a essa tarefa e – diz o médico – não economize em adjetivos.

2 – Aprenda a dizer “não” quando estiver com a agenda “cheia”
Dizer “não” quando se está perto do limite é um gesto de empoderamento. As pessoas passarão a respeitar os seus limites e, consequentemente, a valorizar o seu tempo quando puder finalmente assumir a tarefa requisitada. Para ganhar confiança, Danskin recomenda praticar o “não” diante do espelho.

3 – Beba água
Manter o corpo hidratado, além de melhorar o humor,  garante que o organismo esteja recebendo os nutrientes de que precisa. Em resposta ao estresse, o corpo produz um  hormônio chamado cortisol. Se você estiver desidratado, mesmo que levemente, terá os níveis de cortisol aumentados e isso não será nada bom para o organismo.

4 – Alimente-se bem
Dietas ricas em fibras e pobres em gorduras saturadas têm um efeito positivo no humor. As vitaminas B, especialmente ácido fólico (ou B9) e B12, são “famosas” por prevenir distúrbios do humor, incluindo a depressão. São encontradas em muitos alimentos, como frutas, folhas verdes escuras, feijões, cereais integrais, espinafre, peixes e produtos lácteos.